A tecnologia dos dias de hoje

Tenho saudades das conversas longas, parvas e sem pés nem cabeça. Nos últimos tempos têm sido impossível, sabem porquê? Porque quando abro a boca para alguém essa pessoa está agarrada ao telemóvel a falar com outro alguém e a abanar a cabeça para mim. Ora bem, acho que o ser humano é multifacetado, mas há limites. Quando uma pessoa fala connosco temos de olhar para ela ou não? Dar-lhe um pouco de atenção talvez, se calhar as pessoas de hoje em dia já não sabem o que isso é.
Isto das tecnologias veio estragar muita coisa, mas o pior é a dor na cervical, não?
O telemóvel tornou-se no novo BFF. Ele tem aplicações para tudo e mais alguma coisa. Ele tem as novidades de última hora. Ele traz boas e más notícias. Mas as pessoas de pele e osso também o fazem, sabiam disso? 
É verdade que os "gadgets" são úteis, mas acho que o contacto com outras pessoas também faz falta. Somos tão dependentes que nem damos conta. 
Já existem instituições de reabilitação... Para pessoas dependentes das novas tecnologias... Nunca na vida os meus avós pensariam ver uma coisa destas... 
Ainda há dias, a minha avó me disse: Quando fui para a França, a minha mãe só soube que cheguem bem, passado 2 semanas, por carta. E era assim que se comunicava, as saudades eram muitas, o tempo era aproveitado ao máximo nas férias. Hoje, hoje nem damos valor ao que temos.

Outra coisa, perdeu-se o hábito de se dizer bom dia ou é impressão minha? De perguntar as horas? Se está tudo bem com a família? 

As horas percebo, mas o resto, dizer bom dia não custa nada... Sorrir não custa nada.


Confesso que ter um Facebook e um blogue permite-me ter toda a informação que preciso sem ver o telejornal, ou melhor, saber informações sobre a minha família. Soube da morte dos meus tios pelo Facebook. É doloroso, há coisas que não se devem partilhar assim, de maneira fria. Sei que tal primo traiu com a outra... Sei quem está no hospital... O que comem... O que vestem... E a privacidade? Não me façam falar dela, pois salta-me logo a tampa. Não tenho muita informação sobre mim no Facebook, e não pretendo colocar toda a minha vida lá, pois se quisesse isso tinha ido para o Secret Story. Não me venham cá com cantigas, oh Tim trabalhas onde? Quanto ganhas? Namoras? Com quem? Não colocas fotos novas? Oh gente, tenho vida para além disto, okay? Acho que ainda tenho a liberdade e a noção da minha pessoa e do que pretendo mostrar. Se tenho uma imagem a preservar, se calhar até tenho... Não sei, digo eu. 


A vontade que tenho de dar esta reposta a certas pessoas!


11 comentários:

The Conscience Manifesto disse...

Eu às vezes acho que dava um rim para me poder ver livre do computador e do telemóvel.
O meu facebook também é muuuito minimalista e pobrezinho em informação :)

Briana disse...

O face tem pouca informação sobre o que faço.. E sim há noticias que se devem dizer pessoalmente e há coisas que não se deviam de pôr no face..
A noiva do meu ex namorado coloca episódios dos dois, ecografias da criança, teste de gravidez.. tudo e mais alguma coisa..
Eu prefiro sempre o contacto pessoal..
R: sim o Derek também já este mais interessante. e agora só consigo sentir pena dele pela mulher que tem.. Quando ele andava a inovar na neurocirurgia era muito melhor

Mind's Portrait disse...

Estou totalmente de acordo contigo! Há momentos em que estou na escola com os meus amigos, mas é como se estivesse sozinha. Enquanto eles estão no telemóvel, ou tablets ou qualquer outra tecnologia, eu fico a olhar ou então falo para as paredes!
Quanto ao facebook, só tenho porque dá jeito para combinar coisas e para falar com os meus primos, se assim não fosse já o teria eliminado há muito!
Acho que há limites, e tal como tu, também acho que o falar cara a cara e conviver é muito melhor quer a nível psicológico, quer a nível físico, quer a nível da saúde no geral.

Clair de Lune disse...

Também concordo contigo, acho que é certas coisas que deviam ter preservadas tipo a nossa privacidade.. eu cada vez menos partilho coisas pessoais no facebook e já antes não partilhava quase nada..

L. das horas disse...

Tudo o que é demais é exagero. E estamos assim hoje em dia.

Ana Rita disse...

Concordo plenamente contigo!!

Carolina disse...

Também fico triste com esta realidade! E pior do que isso, é mesmo saber que alguém morreu pelo facebook, ainda para mais quando a pessoa nos é próxima -.-

Panda disse...

Eu não tenho Facebook. E sinceramente, sinto-me muito bem sem ele. Há muitos anos que não tenho, devo ter criado conta com 16 anos, tive durante uns meses e depois nunca mais. Até agora, que tenho 24. Telemóvel, ando a "desagarrar-me". O computador é que, para já, não escapa.

P' disse...

Concordo com tudo. Eu tenho facebook mas nem sequer tenho lá informação minha. Tenho algumas fotos de perfil (que eu meti privadas portanto ninguém as pode ver além de mim) e 2 fotos de capa onde nem sequer apareço. Tudo o resto apenas partilho música lá muito de vez em quando ou algo relacionado com arte que tenha visto noutras páginas. Tenho até andado com vontade de apagar a minha conta mas realmente sigo muitas páginas de artes que me ajudam a arranjar inspiração para criar algo novo e trabalhar mais no meu portfólio de resto não sigo mais nada, às vezes vou ao feed e passo tudo à frente e só vejo as publicações das páginas que me interessam. Quanto ao telemóvel, quando estou com alguém evito agarrar nele por uma questão de respeito! Só se me ligarem é que atendo mas de resto nem mensagens nem internet a não ser que seja algo urgente.

FME disse...

Concordo contigo, as pessoas abusam e de grande. Acho que os gadgets e as rede sociais são úteis mas acho que falta informação para as saber usar. As pessoas simplesmente, não sabem utilizar as coisas é o que eu acho!

*Nightwish* disse...

Concordo quando dizer que as pessoas perderam a capacidade de dizer bom dia, mas não acho que seja por causa dos telemóveis ou dos computadores, é mesmo porque perderam a educação.
Quanto a redes sociais, é certo que partilho a minha vida através do meu blog, como todos os bloggers, mas escolho aquilo que quero tornar público o que, na verdade, é circunstancial (apenas aqueles que me conhecem conseguem associar as situações à minha pessoa). Quanto ao facebook, praticamente só uso o chat quando não há chamadas/sms grátis.
****